quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Ao infinito e além

Cada centava de pesos dos $ 130,00 investidos valeu a pena hoje. Às 8h15 saímos de van rumo ao tour da Alta Montanha. Lindo. Vimos a Cordilheira dos Andes em seu lado argentino. As imagens impressionam. Fomos entre quatro - eu, Moguinha, Sumire e Rafael. Primeiros paramos no Dique Potrejitos, um dique artificial que irriga os vinhedos. A 1.300 metros do nível do mar, a água é azul, límpida, e fica ao pé de um cordao montanhoso.

A parada seguinte foi em Uspallata. Ali gravaram cenas do filme Sete anos no Tibet. Em seguida chegou a Puente del Inca, onde almocamos ao melhor estilo mochila/farofa. Pao, suco, bolacha e água. Tudo oriundo da mochila. Nao dava para encarar o restaurante. Um prato de massa custava $ 22,00 - R$ 15,00. O que valeu mesmo foi a visita as barraquinhas de artesanato e a Puente del Inca em si.

A parada é uma ponte sobre um rio marrom de águas termais, a 25 graus em média. Na pedra foi encravado o prédio das termas. Ah, a pedra é toda amarela e fica com pequenas cachoeiras. Tudo isso com a cordilheira na volta. A paragem seguinte foi o centro de sky Los Penitentes, que obviamente nao tinha neve. Por falar em neve, nevou no último pico do passeio, a fronteira entre Chile e Argentina. Flocos fininhos desceram do céu. Demais.

Antes da neve, visitamos o Cerro Aconcágua, onde chegamos perto do Aconcágua, o Colosso da América, pico com 6.965 metros. No cerro estávamos a 2.800. As imagens tiravam o fôlego. A volta foi direta. Chegamos as 19h35, após 400 km entre ida e volta do passeio. Agora vamos ao centro de Mendoza matar a fome.

Nenhum comentário:

Postar um comentário